JANELA DA ESTELA

JANELA DA ESTELA

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O INSACIÁVEL SENHOR

Eu amava muito o homem por quem me apaixonei e casei. Eu pensava que ele também me amasse. Mas os anos que passamos juntos me mostrou que ele tinha por mim apenas desejo e um prazer em me manter ao seu lado por um motivo único: Querer me sufocar.

Quando nos conhecemos, foi um momento especial, parecia que viveríamos nossas vidas entrelaçados de amor.   O Elton era muito carinhoso, mas em tudo o que fazia, sempre tinha aquele desejo sexual que parecia não ter fim. Era tudo ótimo éramos jovens e bem dispostos. Namoramos durante um ano, então após esse período nos casamos.

O dia do nosso casamento foi uma emoção total. Eu estava com vinte e seis anos ele  com trinta e dois. Nossas famílias estavam contentes, tudo estava tão harmonioso que parecia um conto de fadas. Nossa lua de mel foi em Paris, ganhamos esse presente de meu pai.

Quando voltamos da lua de mel, fomos morar em nosso apartamento. Dedicamos muita atenção a cada detalhe naquele ambiente em que queríamos que fosse um ninho de amor. Tudo foi pensado, ficou lindo. Estávamos começando nossa vidinha, mas logo no primeiro mês de casada eu tive uma surpresa desagradável. Certa noite, o Elton chegou em casa com um cheiro de perfume barato, eu brinquei com ele e disse: Amor, que cheiro é esse eu sua roupa? Ele respondeu: Cheiro de que, Lola? Você tem um nariz! Eu não estou sentindo nada! Então deixei pra lá, mas quando ele foi tomar banho eu peguei suas roupas e cheirei. O perfume era forte, aquilo me deixou com a pulga atrás da orelha.
Aquele era apenas o começo de um serie de casos do meu marido.


Viver com o Elton foi uma caminhada difícil, ele sempre me sacaneou com suas mentiras. Eu era muito tola e acreditava em suas desculpas. Ele tinha casos com muitas mulheres, mas eu o amava e perdoava todas às vezes que ele implorava o meu perdão.

Chegou um tempo em nosso casamento em que parecia que tudo ia se acabar. Foi quando ele conheceu Celina. Ela era sua secretária na firma do Elton. Era uma mulher loura de estatura mediana, magra e bonita, era simpática e muito comunicativa. Lembro que eu a vi várias vezes. Ela me tratava bem. Eu não sabia que ela e o Elton tinham um caso, eles sabiam disfarçar muito bem. Mas foi nessa época em que eu fiquei grávida e tive complicações, por isso perdi o bebê. Eu fiquei internada no hospital por três dias, devido as complicações que tive no aborto espontâneo. Então na manhã do segundo dia em que eu estava internada me aparece o Elton com Celina para me visitar. Ela me deu um ramalhete de rosas brancas e disse que logo eu estaria bem, ela foi muito gentil. Quando fui para casa, Celina me ligava todos os dias para saber se eu estava bem. Que cachorra! Ela trepava com meu marido e me tratava bem.
O caso do Elton com Celina durou uns dois anos, mas eu só fiquei sabendo depois que eles terminaram.

O insaciável Elton, mal saía de um caso e já entrava em outro.
Marcela foi uma mulher que entrou na vida do Elton, quando ele fez uma cirurgia no joelho esquerdo.
Ela era enfermeira e naquele ambiente hospitalar rolou um clima entre os dois. Eles ficaram juntos por uns três meses. Durante esse período o Elton não parava em casa. Quando eu dizia que queria sair para passearmos juntos, ele inventava alguma coisa para fazer. Eu nunca entendi porque o Elton queria me manter por perto, se ele me maltratava tanto com suas atitudes. No dia em que eu disse para o Elton que eu sabia que ele estava de caso com alguém, ele me disse assim: Você está louca! Eu mal tenho tempo pra mim! O trabalho me consome.
Eu era uma idiota, costumava acreditar no Elton. Eu era boba, eu o amava demais.

O tempo foi passando e nada melhorava. Eu sabia que havia problemas entre nós, mas também me acomodava. O Elton, durante um período andou mais calmo, parecia que estava tentando mudar, mas foi por um período curto. Na verdade ele estava passando por problemas financeiros, então era preciso maneirar.

Certa vez, o Elton conheceu uma mulher que mexeu muito com ele. Eles começaram um envolvimento através da internet. Eu sabia que ele tinha várias namoradas via internet, mas estava tocando a vida, talvez esperando alguma bomba explodir.
Todos os dias, o Elton conversava com a tal pessoa, eu comecei a vigiar  e prestar atenção no que estava acontecendo, eu havia dito para o Elton assim: Eu não quero fazer papel de idiota. Eu quero viver uma vida com muita tranquilidade, ou então a gente se separa. Eu não aguento mais esse teu estilo de vida. Essas putarias tem que ter um fim.
O Elton ria quando eu falava assim e dizia: Mulher, você tem tudo do bom e do melhor, para de me encher.
Mas eu estava disposta a acabar com aquela farra. Fiquei ligada nos passos do Elton, comecei a ver suas ligações no celular e entrei nos e-mails dele. De fato constatei uma serie de conversas, fiquei uma fera! Acabei por descobrir que ele estava tendo um caso com Marina. Cheguei a ver fotos dela no celular dele. Ela parecia um tipo vulgar.
Em um fim de semana o Elton me disse que ia viajar com um amigo para uma cidade próxima, eles iriam numa confraternização de final de ano, disse que era um cliente da firma muito conceituado, por isso ele precisava estar presente no evento. Ficou combinado que assim que ele retornasse, nós viajaríamos para a França em férias. Todo final de ano nós fazíamos uma viagem internacional. O Elton não curtia passar o final de ano com parentes.
Eu estava em casa tranquilamente me preparando para almoçar quando recebi um telefonema em que a pessoa me perguntava se eu conhecia o Elton, eu disse que sim e que era esposa dele. A pessoa me falou que estava falando de um hospital e que o meu marido estava lá, entre a vida e a morte. Depois de constatar que era realmente verdade tudo aquilo que aquela pessoa me disse, fui até o local para tomar providências. Ao chegar no hospital vi o Elton todo arrebentado e estendido numa cama, o médico me disse que o estado dele era muito grave, disse também que a outra pessoa que estava com ele não resistiu aos ferimentos e havia morrido. Eu olhei para o médico e disse: Nossa, o amigo dele morreu? O médico estranhou o que eu disse e falou: Foi uma mulher que morreu.

Conclusão, o Elton havia ido passar o fim de semana com uma mulher, ali numa cidade próxima, e mentiu que estava indo para uma confraternização com um amigo.
A mulher que morreu era Marina, os parentes dela fizeram o funeral.
Fiquei sabendo que Marina era casada e mãe de dois filhos menores. A família dela entrou na justiça, queriam uma indenização. Deixei que meu advogado cuidasse do caso.
Quanto ao Elton, ele ficou com sequelas do acidente, não pode mais andar  e teve que responder na justiça pelos danos que causou a outra pessoa.
Quanto a mim. Bem, criei vergonha na cara e dei um pé na bunda dele.


Mona Lisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário